"Writing is a socially acceptable form of schizophrenia."
(E.L. Doctorow
)

"Words - so innocent and powerless as they are, as standing in a dictionary, how potent for good and evil they become in the hands of one who knows how to combine them."
(Nathaniel Hawthorne
)

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Ser piegas

            Hoje sinto-me piegas (deve ter sido do Chocapic que tomo ao pequeno-almoço, de certeza). Mas pronto, se é para escrever é preciso demonstrar uma capacidade quase inata para esconder o que se sente de modo a que o leitor se aperceba apenas daquilo que está escrito. Portanto hoje é para falar de … ah, pois … o facto de o Sr. Passos Coelho nos ter chamado de “piegas” … hum, nesse caso, perfeito, nem vou ter que esticar muito.
            Ao analisar as declarações do nosso “primeiro” é-me claro algo que parece que virou moda: falar sem pensar. Aconteceu com Cavaco Silva e agora acontece com Passos Coelho, visto que ambos tentam passar uma mensagem, mas falta o mais importante: saber escolher as palavras. Agora vocês perguntam “mas ó Daniel será que eles não quiseram dizer mesmo aquilo?” … Em primeiro lugar estão a perguntar à pessoa errada (e até levo a mal me terem perguntado isso), segundo, acho que está no sangue político as “gaffes”, senão teriam de ser competentes em muita coisa, e se não o são a governar também não o devem ser a exprimir o português …
            Quero apenas dizer que não acho que os portugueses sejam piegas, apesar de muitos continuarem a chorar por tudo que é novela ou reality show. Portugal é um país reformado vá, piegas não; quanto mais não seja refila quando perde à sueca, mas atenção, refila mas não contesta (espero mesmo que tenham percebido a analogia política que tentei passar aqui … mas para vos poupar trabalho digo que tem a ver com quem lidera a Europa, pronto assim fica mais fácil, quem é amigo quem é?).
            Porra, não queria nada invocar a Europa para esta salada de “coives” … Pois aí está mais uma das características bem vincadas no nosso povo: na hora da verdade chamar por outrem a quem possamos pôr a “culpa” em cima! Vá, vamos ver o outro lado … Secalhar o nosso PM, por ter estudado História A no liceu, quis apenas apelar para que todos os seus súbditos não caíssem na tentação de cometer os mesmos erros que outrora os nossos antepassados cometeram. Malta, isso não é uma ofensa! Temos de ser realistas e imparciais: nós, todos nós (sim, eu também) temos o sangue de um povo que desenrasca quando pode e se deixa cair em desgraça com tanta falta de auto-estima. Os nossos caros colegas da União Europeia sabem disso! E cuidado, no dia D eles irão jogar com esta nossa característica a favor das suas estratégias/interesses. Vamos lá ganhar tininho na cabeça, parar de achar que os de fora têm as melhores soluções e escutar de mente aberta (atenção, só a mente) o que os de cá de dentro nos dizem.
            Não, não sou Social-democrata nem fã do Sr. Passos Coelho, apenas vos quero trazer, para concluir, uma perspectiva mais optimista, jovial e bondosa sobre aquilo que nos põem diante dos olhos. E claro, nada melhor do que terminar com um viva a Portugal!

Rute Rita e Daniel Teixeira

1 comentários:

Vanessa Silva disse...

Gostei do que li
Beijinho e sigo

Enviar um comentário